Display

sábado, 12 de abril de 2014

JOVENS PROTAGONISTAS - VOLUNTARIADO


Os jovens voluntários nestas fotos, são estudantes do COLÉGIO NOSSA SENHORA DO MORUMBI, SÃO PAULO, Capital, que participam do projeto 'VOLUNTARIADO EM AÇÃO", que consiste em atender uma vez por semana, crianças carentes da comunidade Paraisópolis e comunidades próximas da escola. Os jovens desenvolvem atividades diversas com as crianças, como recreação, esporte, contando histórias, teatro, informática etc... PARABÉNS JOVENS PELA DEDICAÇÃO E SERIEDADE!


FOTOS - CRÉDITO CELINA MISSURA




0 ESPAÇO SAGRADO





O Espaço Sagrado e Litúrgico

Pe. Enrique Illarze,oasb.

I. - Conceitos básicos – Uma aproximação teológica.

A história da humanidade nos diz que, sempre têm existido lugares onde a presença do Sagrado é especialmente forte e onde os seres humanos tem tido a possibilidade de se comunicar e relacionar com ele, através da oferenda, a oração e a propiciação, sentindo-se 
assim próximos do Mistério. Esses lugares estavam primeiro na natureza: montanhas, fontes, árvores, pedras e depois foram edificados em seu entorno ou sobre eles, edificações que continham elementos representativos ou simbólicos sacros e nos quais a presença física 
do divino (imagem, símbolos cúlticos), era de especial relevância. Os Espaços Sagrados tem então a característica de serem LUGARES DE ENCONTRO entre o humano e o divino, nas suas diferentes formas. Nós, cristãos, damos a essa realidade transcendente e 
misteriosa o nome de Deus, nosso Criador e Pai, onipotente e onipresente, que se revela e quer se comunicar conosco. Por isso reservamos certos lugares onde realizar, de forma privilegiada, mas não única, nossa comunicação e relacionamento com Ele, e damos aos 
mesmos o nome de “Templos” ou de “Igrejas”. Eles não se identificam pela presença física do Divino, mas pela celebração do mistério que neles acontece.

II. - Templo ou Igreja? 

Ambos os termos são usados como sinônimos, ainda que não o sejam. É bom saber por que seria preferível usar a palavra TEMPLO para designar o edifício ou lugar que define o 
espaço pública e exclusivamente dedicado ao culto de Deus. A palavra IGREJA designa algo mais grande e profundo do que a mera edificação física. 

Originariamente, a palavra grega ekklesia significava a reunião ou assembléia dos cidadãos, e só por extensão passou a 
designar o lugar da mesma. Para os cristãos é essa ação de se reunir o que define o espaço como sagrado, o lugar da presença de seu Mestre e Salvador: ”Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu Nome, eu estou no meio deles” (Mt. 18,20). Seus seguidores 
somos convocados, semanalmente, no dia da sua Páscoa, para fazer memória de Ele, e assim reunidos, ser as “pedras vivas”, que integram o “Templo”, conforme as palavras de Pedro (1 Pe. 2,5) e Paulo (1Cor. 3,17). Falamos então que os cristãos UNIDOS pelo 
Espírito Santo constituem o Corpo Místico de Cristo, isto é, a Igreja propriamente dita. 

Por isso, Jesus é o verdadeiro “lugar” do culto cristão, seu “Templo”, e doravante, o culto estará ligado a Ele: “mas Ele falava do Templo de seu corpo” (Jô, 2, 21), pois pela Encarnação divina, a humanidade de Jesus é o lugar da presença e da manifestação de Deus no meio de toda a Criação.

Todavia, e pelas suas limitações, o ser humano precisa expressar sua adoração servindo-se da materialidade do próprio corpo e criando, com suas mãos e inteligência lugares onde através da beleza e harmonia das ações neles desenvolvidas se expressem a Beleza e 
Bondade divinas, e possam se tornar espaços sagrados de culto, de “Encontro” com o mistério de Deus. Por todas estas razões preferimos usar o termo “templo” para nos referir à estrutura física (ex.: o templo da Catedral ou da Paróquia) e reservar “Igreja” para os 
1cristãos reunidos ou para a Instituição (ex.: a Igreja Episcopal Anglicana; a Igreja local 
reuniu-se em Concílio).

continuação do artigo em

http://centroestudosanglicanos.com.br/bancodetextos/arte/o_espaco_sagrado_e_liturgico.pdf

domingo, 6 de abril de 2014

TRANSTORNOS DISSOCIATIVOS

Generalidades

Estes transtornos são os mais explorados pela indústria cinematográfica, dada sua curiosa forma de apresentação. O aspecto central dos transtornos dissociativos (ou também chamados conversivos) é a perda total ou parcial de uma função mental ou neurológica. As funções comumente afetadas são a memória, a consciência da própria identidade, sensações corporais, controle dos movimentos corporais. Esses acometimentos estão por definição ligados a algum evento psicologicamente estressante na vida do paciente cuja ligação o paciente costuma negar e conseqüentemente o psiquiatra precisa de auxílio para detectar.


Dada a comprovação da inexistência de um fator físico detectável, sua rápida instalação e a preservação das demais funções mentais e neurológicas, as pessoas diretamente prejudicadas pelo distúrbio do paciente consideram simuladores. Esses casos ainda não foram inteiramente compreendidos o que não significa que sejam simulações. Reconhecemos nossa ignorância e justamente por ela não temos como negar sua existência. Por enquanto admite-se a existência da paralisia neurológica e psiquiátrica, uma de bases definidas, outra de bases indefinidas justamente como foi no passado com a neurologia.


Amnésia Dissociativa
O principal aspecto é a perda da memória, usualmente para eventos recentes importantes, graves o suficiente para serem tomados como simples esquecimento. Deve ser comprovada a impossibilidade de uma causa orgânica como medicamentos ou problemas cerebrais. A amnésia costuma acontecer para eventos traumáticos como acidentes ou perdas inesperadas, podendo ser específica para determinados temas, por exemplo: numa determinada boate onde ocorreu um incêndio o paciente não se recorda dos comentários de outras pessoas a respeito do cheiro de fumaça instantes antes do pânico generalizado; também não se lembrar de alguém que tentava orientar a multidão ou outra pessoa que tentou ajudá-la, somente dos doces, das bebidas, das músicas e com quem conversou. Na maioria das vezes o paciente sabe que perdeu parte da memória, alguns aborrecem-se com isso, outros ficam indiferentes e despreocupados. Os adultos jovens, os adolescentes e as mulheres são os mais acometidos por esse problema.


Há técnicas como a hipnose ou outras formas de relaxamento que permitem ao profissional experiente penetrar na parte "esquecida" da mente do paciente e fazê-lo contar o que houve. Em certos casos, psicoterapias podem também fazer com que o paciente se conscientize do que presenciou.


Fuga Dissociativa

Na fuga dissociativa o indivíduo repentinamente perde todas suas recordações, inclusive de sua própria identidade. Inesperadamente essa pessoa muda-se de localidade, de cidade ou de estado, assumindo uma outra identidade, função e vida por vários dias. Durante esse período não se lembra nada de sua vida passada nem tem consciência de que se esqueceu de algo. Durante esse período seu comportamento é compatível com as normas sociais de maneira que ninguém percebe algo errado naquela pessoa, exceto por ser um forasteiro. Vive de forma simples, um pouco recluso, com modéstia. Subitamente recobra toda a memória, excetuando-se o período enquanto viveu a fuga dissociativa. Com o restabelecimento da memória a pessoa recobra sua vida anterior. Raramente esse episódio dura meses: comumente dura dias ou horas.


Despersonalização / Desrealização

A desrealização é a alteração da sensação a respeito de si próprio, enquanto a despersonalização é a alteração da sensação de realidade do mundo exterior sendo preservada a sensação a respeito de si mesmo. Contudo ambas podem acontecer simultaneamente. A classificação norte-americana não distingue mais a desrealização da despersonalização, encarando-as como o mesmo problema.
Contrariamente ao que o nome pode sugerir, a despersonalização não trata de um distúrbio de perda da personalidade: este problema inclusive não tem nenhuma relação com qualquer aspecto da personalidade normal ou patológica.
O aspecto central da despersonalização é a sensação de estar desligado do mundo como se, na verdade, estivesse sonhando. O indivíduo que experimenta a despersonalização tem a impressão de estar num mundo fictício, irreal mas a convicção da realidade não se altera. A desrealização é uma sensação e não uma alteração do pensamento como acontece nas psicoses onde o indivíduo não diferencia realidade da "fantasia". Na despersonalização o indivíduo tem preservado o senso de realidade apesar de ter uma sensação de que o que está vendo não é real. É comum a sensação de ser o observador de si próprio e até sentir o "movimento" de saída de dentro do próprio corpo de onde se observa a si mesmo de um lugar de fora do próprio corpo.
A ocorrência eventual das sensações de despersonalização ou desrealização é comum. Algumas estatísticas falam que aproximadamente 70% da população em geral já experimentou alguma vez esses sintomas, não podendo se constituir num transtorno enquanto ocorrência esporádica. Porém se acontece continuamente ou com freqüência proporcionando significativo sofrimento, passa a ser considerado um transtorno. A severidade pode chegar a um nível de intensidade tal que o paciente deseja morrer a continuar vivendo.
O diagnóstico desse transtorno dissociativo só pode ser feito se outros transtornos foram descartados como as síndromes psicóticas, estados de depressão ou ansiedade, especialmente o pânico. Nessas situações as despersonalizações e desrealizações são comuns constituindo-se num sintoma e não num transtorno à parte.
Não há tratamento eficaz conhecido para esses sintomas isoladamente.


Personalidade Múltipla

Ao contrário do que poderia parecer, este transtorno nada tem a ver com os transtornos de personalidade, está classificado entre os transtornos dissociativos porque existem várias personalidades dentro de uma só pessoa e essas personalidades não são necessariamente patológicas. No transtorno de personalidade não há amnésias, mas uma conduta rotineiramente inadaptada socialmente.
O aspecto essencial da personalidade múltipla é a existência de duas ou mais personalidades distintas dentro de um indivíduo, com apenas uma delas evidenciando-se a cada momento. Cada personalidade é completa, com suas próprias memórias, comportamento e gostos de forma bastante elaborada e complexa. As personalidades são bastante independentes umas das outras sendo possível inclusive terem comportamentos opostos, por exemplo, uma sendo sexualmente promíscua e outra recatada. Em alguns casos há completo bloqueio de memória entre as personalidades, noutros casos há conhecimento podendo gerar rivalidades ou fraternidades. O observador externo que só conheça uma das personalidades não notará nada de anormal com esta pessoa. As personalidades podem ser do sexo oposto, ter idades diferentes e até de outras raças.
O primeiro episódio de mudança de personalidade pode ser precedido de um evento forte como uma tragédia. Com o passar do tempo essa pessoa pode continuar tendo as "viradas" na personalidade sem fatores precipitantes. A mudança de uma personalidade para outra pode ser súbita ou ocorrer numa espécie de período confusional transitório, pode acontecer durante uma sessão de relaxamento ou de psicoterapia.
Nada se sabe a respeito das causas desse transtorno, mas admite-se que é mais freqüente do que se suspeitava antigamente. Atualmente as psicoterapias são as únicas formas de abordagem dos casos. Não há uma medicação eficaz.


Transtorno Dissociativo Motor

Os transtornos motores são os mais comuns do grupo das dissociações. As queixas que esses pacientes costumam apresentar são fraqueza ao realizar um determinado movimento, andar instável ou inseguro, movimentos anormais, tremores, contrações involuntárias. Os sintomas costumam se intensificar quando o paciente é observado. Apesar dessas queixas dificilmente esses pacientes se ferem, ao contrário do que acontece nos casos neurológicos propriamente ditos. Esse distúrbio é aproximadamente cinco vezes mais comum em mulheres do que em homens. Um aspecto que muitas vezes chama a atenção é a relativa acomodação com a situação. Ao contrário de uma pessoa que repentinamente passa a necessitar de uma cadeira-de-rodas, por exemplo, esses pacientes reagem com relativa tranqüilidade e indiferença a sua incapacidade física, não se importando com seu problema.


Transtorno Dissociativo Sensitivo

É equivalente ao transtorno motor sendo a função neurológica afetada, mais freqüentemente a sensorial, o tato, a audição e a visão. Podem manifestar-se com perda parcial ou completa das sensações táteis de determinada área do corpo, principalmente as extremidades (pés e mãos). Nestes casos todas as funções táteis costumam estar acometidas para o toque, para a dor e para a temperatura. Assim o paciente queixa-se de anestesia num lado inteiro do corpo ou nas mãos ou pés. Os órgãos dos sentidos especiais como audição, visão podem ser afetados provocando surdez, visão turva, cegueira, visão em túnel. Tanto ambos os lados podem ser acometidos simultaneamente como de um lado só. Novamente esses pacientes não se ferem por causa de seu transtorno, mas se isso acontecer como fato isolado não se poderá excluir o diagnóstico. Tanto as alterações motoras como as sensoriais costumam ser limitadas a um período de tempo com completa recuperação posterior, mas o mesmo quadro ou outro semelhante pode surgir após a recuperação.


FONTE

http://psicosite.com.br/tra/sod/dissociativo.htm#despdesr